pessoal | Viver para trabalhar VS trabalhar para viver e um tiro no escuro

28.5.17 SARA SILVA 7 Comments


(imagem daqui)
Há já algumas semanas que ando para escrever este post, em que também explico o porquê da minha ausência de meses aqui no 18 and a life e o regresso súbito. Eu sei que não tenho de me justificar, mas preciso mesmo de escrever o que me vai na alma mais como uma terapia do que por outra razão, porque estou novamente a passar por uma fase de mudança.

Lembram-se de, há 1 ano, eu ter conseguido entrar na empresa na qual queria muito trabalhar? Fiquei incrédula quando soube que me tinham aceite, naquele dia senti-me mesmo a rapariga mais sortuda do mundo! Tratei de informar o meu chefe da altura que me ia embora - ele ficou indignado, mas depois lá nos entendemos - e comecei a nova aventura. Este mês informei os meus actuais chefes de que já não quero/já não consigo trabalhar mais ali e que vou sair - mesmo sem ter para onde ir.

Mas se aquela era a empresa onde eu queria tanto trabalhar, o que é que mudou para que eu já não consiga mais lá estar? O que me leva arriscar sair de um trabalho em que, à partida, tinha o meu lugar garantido, para me atirar assim para "o escuro"? A lista é imensa, mas resume-se a isto: o meu bem-estar e felicidade porque, no final, isso é o que mais importa.
Após os primeiros meses naquela empresa contei-vos que não estava a ser fácil, mas que as coisas entretanto começavam a melhorar. Era evidente para mim e para os meus chefes que trabalhávamos de forma diferente e que, devido a isso, eu não me encaixava bem naquele ambiente. Eles disseram-me de sua justiça e eu, apesar de não concordar, queria muito aquele trabalho e assumi estar disposta a mudar para corresponder à pessoa que eles queriam que eu fosse. Escusado será dizer que isso não aconteceu por completo porque não é em meses que mudamos quem somos - se é que realmente chegamos a mudar por completo, eu acho que não.

Os tempos que se seguiram foram mais tranquilos, eu senti que estava a melhorar e a tornar-me na profissional que eles queriam que eu fosse... só que não. Eu realmente posso ter melhorado em alguns aspectos, mas só agora vejo que, naquela conversa que tivemos, eu não subentendi o que eles realmente queriam dizer com eu ter de ser mais descontraída e menos "certinha". Comigo é "pão pão, queijo queijo" e eles são mais "pão com queijo" e esperavam que eu fosse assim também.

Sem querer entrar em pormenores, neste trabalho fiquei a conhecer de perto pessoas que vivem para trabalhar em vez de trabalharem para viver, pessoas que abdicam da sua vida pessoal em função da profissional (ou que misturam as duas, não sei o que é pior), que enviam emails às 3h da manhã, que não têm fins-de-semana nem feriados, que não se importam de trabalhar 18h seguidas e repetir no dia seguinte: verdadeiros workaholics. E, ao conhecer estas pessoas, percebi que não é isso que quero para a minha vida.

Nos meses mais intensos que tive lá no trabalho, por excesso de trabalho, comecei realmente a ir-me abaixo. Não conseguia dormir bem à noite, perdi o apetite, andava sempre stressada, agitada, irritada, cheguei a ter crises de ansiedade, chegava a casa frustrada e nem depois de fins-de-semana descontraídos e fora do meu ambiente habitual conseguia desligar e repor a minha energia para começar mais uma semana. O trabalho não me corria bem, eu ficava mal com isso e, por consequência, não conseguia dar a volta por cima e melhorar a situação. Era um ciclo e, depois de ter experimentado de tudo para ter a certeza que a origem do problema não era a minha falta de organização nem de esforço, fui falar com os meus chefes para lhes dizer o que se estava a passar - pois eu não tinha a certeza se se apercebiam. Da primeira vez compreenderam mas disseram que estávamos todos a passar uma fase menos boa e que tínhamos de aguentar. Da segunda vez, cerca de 1 a 2 meses depois, voltei a falar com eles e aí sim, tomaram uma posição e mudaram/facilitaram alguns aspectos. No entanto, outras situações surgiram pelo meio, eu comecei a ver que, em breve, os meus meses mais negros iam repetir-se (ou ser piores) e admiti que não conseguia ser a profissional que eles queriam que eu fosse, dedicar-me a 100% como eles exigiam, e que era preferível contratarem alguém para o meu lugar porque eu ia sair.

(GIF daqui)
Só de escrever isto, e reviver tudo novamente na minha cabeça, sinto-me tão ansiosa como no dia em que tive ser de frontal com eles. Antes disso, tive de ser racional e honesta comigo própria, perceber o que estava a acontecer comigo e as repercussões disso na minha vida pessoal - sobretudo na minha relação com o Zé que, eventualmente, estava a ser prejudicada por mais compreensivo que ele estivesse a ser - entender que o meu bem-estar e felicidade estavam acima de tudo o resto, e que eu não podia continuar assim porque não ia correr bem para ninguém. 

Apesar dos "avisos", acho que apanhei os meus chefes desprevenidos com esta notícia. Aos olhos deles, eles apostaram em mim a partir do momento em que decidiram contratar-me, sobretudo pela minha grande motivação em querer trabalhar com eles, e agora eu estava a fraquejar, a negar-me. Disseram-me que tenho falta de ambição. Não concordei e respondi que, a meu ver, ambição é procurar sempre algo melhor que a situação em que nos encontramos, e que é isso que estou a fazer ao decidir sair. A conclusão a que chegámos é que temos formas muito distintas de interpretar e viver o trabalho e, por sermos incompatíveis nisso, e é melhor seguirmos caminhos diferentes.

Decisão tomada e anunciada, aproximam-se tempos de mudança. Não sei o que se segue, isto foi um verdadeiro tiro no escuro, mas tinha de ser e no timming que foi. Estou confiante, sei do que sou capaz e, apesar de querer continuar a trabalhar na área do marketing digital, não me importarei de passar alguns meses atrás de uma caixa de supermercado se assim tiver de ser, se não encontrar nada para já. Por agora só peço descanso, alguns dias de férias - que terei em breve - para desligar de todo este stress, e começar noutro sítio com energia e motivação renovadas!

(imagem daqui)

Posts relacionados

7 comentários:

Inês Miranda disse...

Muita força Sara! O melhor está por vir, eu acredito que sim, porque tu MERECES! Pela força, e coragem que tu tens! Tomaste aquela decisão que veio do coração, encontrarás o melhor caminho. Beijinhos <3

Como te compreendo, infelizmente passei por algo semelhante no meu trabalho é que terminou não muito bem. Sei perfeitamente o que é tentar corresponder aos padrões impostos pela nossa chefi, e sei o que é tentar ao máximo mas não conseguir. Independentemente disso vais ver que uma nova fase virá e que será muito mais risonha.
Grande beijinho

Tânia Correia disse...

Realmente uau. Digo-te que estás de parabéns, pois nem todos tem a força de encarar o problema como tu fizeste e colocar em acção a decisão tomada. Tenho pena que a tua carreira de sonho se tenha transformado em pesadelo. Mas... isto só abre novos caminhos para ti! desta experiência aprendeste algo novo e te tornaste mais forte também. Lembra-te (e digo isto muitas vezes porque sei que é verdade) em cada falhanço encontras a semente de um sucesso equivalente. Tenho a certeza de que te irás recompor e vais encontrar algo que te faça feliz, que seja verdadeiro. Beijinhos e força!

Mara Mendes disse...

Revejo-me um bocado nas tuas palavras, mas eu já nao tenho a coragem de me despedir sem ter outro trabalho em vista.
Espero depois do verão conseguir algo melhor.
Continua a escrever que gosto de ler os teus textos. Beijinhos

Daniela disse...

Percebo bem a tua situação Sara e concordo plenamente contigo, existem coisas que o dinheiro não compra e a nossa saúde e o nosso bem-estar são duas delas. E também acho que a nossa ambição deve ser a de procurar aquilo que nos faz feliz e nunca desistir disso! Beijinhos e boa sorte nesta nova etapa.:)

Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

Rititi disse...

Eu encontrei-te através do teu Instagram e obviamente tinha de vir espreitar o teu blogue e do que li, só posso concordar que tomaste a decisão certa. Apesar de na altura achares que este trabalho era o teu sonho, fizeste bem em não deixares continuar-te a consumir por algo que só te matava aos poucos.
Vai correr tudo bem nos próximos tempos, tenho a certeza.

Vou seguir o blogue, beijinhos *

SARA SILVA disse...

@Inês Miranda: É nisso que quero acreditar! Obrigada pelas tuas palavras positivas :*

@Daniela Ribeiro: é frustrante mas tudo é uma lição, é nisso que tenho focar-me :) boa sorte para ti também!

@Tânia Correia: Muito obrigada pelo apoio, Tânia! Há sempre que olhar para o lado positivo das coisas e quero acreditar que a mudança é para melhor :)

@Mara Mendes: vais ver que este verão te vai trazer coisas boas (incluindo voltarmos a encontrar-nos! :D). beijinhos *

@Daniela: Parece utópico, mas acho que é nisso que temos de nos focar! Obrigada :*

@Rititi: Obrigada pelas tuas palavras, Rititi! E bem-vinda ao 18 and a life :D

Beijinhos a todas!

Obrigada pelo teu comentário ♡
{activa a opção 'Notificar-me' para saberes quando respondi}