pessoal | Quando o drama é ser magra

20.4.16 SARA SILVA 12 Comments


Não, este não é um post de ironia, não é uma piada, não é coisa de diva, não vou falar sobre dietas, vou pura e simplesmente esclarecer para a maior quantidade de pessoas que conseguir que, para muita gente, ser magra pode ser tão difícil quanto ser gorda. Porque, infelizmente, há muitas cabecinhas por aí que acham que a vida de uma rapariga magra é de sonho só porque não tem de se preocupar com o que come nem com os quilinhos extra.

Durante toda a minha pré-adolescência e adolescência fui uma das mais magras das turmas em que estive. E não, eu não era feliz com isso, não me sentia bem com o meu corpo. Fosse devido a comentários maldosos (incluindo "Tu és anorética?", "Depois de comer vais vomitar?" e "Cuidado que o vento pode levar-te!"), como por me sentir desengonçada e não achar que as roupas (XS para a parte de cima e 32 para a parte de baixo) me ficassem bem. Eu olhava para o meu corpo e achava feio o facto de se notarem as costelas, os ossos da bacia e dos meus braços serem tão magros e sem forma.

Eu com 11 anos (à esquerda) e 15 (à direita)
- clica para ampliar -
Tal como as raparigas mais gordinhas evitam comer para não ganhar mais peso, eu comia cada vez mais para tentar engordar, e nunca funcionou. Era simplesmente genético e eu tinha de viver com isso. 

Eu também ia às compras e a roupa não me servia, eu também me refugiava nas roupas largas, eu também não gostava do verão nem de estar na praia, eu também evitava as fotografias de corpo inteiro e, na melhor das hipóteses, procurava a pose em que não se notasse como realmente era o meu corpo, eu também era deixada de parte pelos rapazes por causa do meu corpo. Eu e tantas outras raparigas que são magras e não se sentem abençoadas por isso.

Agora que olho para trás, percebo que grande parte das pessoas que criticavam e comentavam a minha magreza, eram as mais gordinhas. Nunca me passou pela cabeça que fosse inveja, porque quem é que quereria ter um corpo esquelético como o meu? Agora percebo que talvez fosse isso, porque a sociedade e o conceito de beleza (que felizmente agora começa a mudar, pouco a pouco), impõe que temos de ser magras com os ossos salientes. Não, não temos de ser assim, não se esforcem por ser assim!

É para provar isso que partilho convosco esta minha experiência e algumas das fotografias mais embaraçosas que tenho dessa altura (são poucas e não tão exemplificativas como deviam, mas na altura eu evitava fotografias de corpo inteiro). As gordinhas nunca vão entender o drama que é ser muito magra, tal como as muito magras nunca vão perceber o problema que é ter alguns quilos a mais (na verdade é o que nós desejamos!).

Eu com 15 anos (à esquerda) e 16 (à direita)
- clica para ampliar -
Só no secundário, por volta dos 17/18 anos, é que finalmente o meu corpo começou a mudar e ganhei curvas. Senti-me muito melhor, afinal já não era uma "tábua", um "pau de virar tripas", uma "perninhas de aranhão", já não "saía ao pai", e, apesar de nunca ter feito nenhuma loucura durante os anos em que me sentia mal com o meu corpo, ainda hoje não me sinto 100% à vontade com ele. Gosto mais dele e de mim, mas continuam a existir roupas que evito, porque não me agrada a ideia de expor o meu corpo, e continuo a sentir-me escanzelada quando estou em bikini.

Sim, as raparigas magras também sofrem, e acredito que vamos sofrer ainda mais quando ter peso a mais se tornar o ideal de beleza. Porque nós também não escolhemos nascer com este corpo.

Posts relacionados

12 comentários:

tequis :3 disse...

Eu percebo-te lindamente!
Ouço tantas pessoas a dizerem que estão gordas enquanto estão magras e eu a tentar engordar!
Sempre fui magra e notava-se as costelas e não é algo que me agrade de todo!!!
Por acaso tive sorte e sempre tive curvinhas pois a minha ancar ´eum pouquinho larga e tenho ombros largos devido ao desporto,mas se não fosse o desporto de certeza que também iria ser mais "tábua"
Eu compreendo que ser gordinha é complicado mas também ser demasiado magra é dose,e qualquer coisa nos aleija.
Beijos
Cantinho da tequis
Facebook Cantinho da tequis

SARA SILVA disse...

Podes crer!
Fazer desporto realmente pode ser uma ajuda, mas na altura eu detestava :p
Beijinhos e obrigada pelo seu comentário :)

Juliana Barros disse...

Eu por acaso, nunca fui muito magra, quando era mais nova era normal. Depois devido a problemas de saúde comecei a engordar, e as vezes custa-me ouvir de raparigas que estão óptimas, que estão gordas. Acho que elas dizem isso para chamar um pouco atenção, para lhe dizerem "ah não tu estás óptima!" Claro que no teu caso, tu querias o contrário, e nisso percebo pois o meu namorado também faz de tudo para engordar e não consegue :)
Beijinho

SARA SILVA disse...

Podes crer que há muitas raparigas dessas! O problema é que, de tanto repetirem que estão gordas, começam a convencer-se disso mesmo quando na verdade estão óptimas...
Compreendo o drama do teu namorado! Simplesmente não vamos lá com comida, como acontece com a maioria das pessoas...
Beijinhos

Daniela disse...

Todos os extremos são complicados e cada um sente o seu problema à sua maneira, mas realmente acredito que não seja uma situação nada agradável. Eu sempre fui "normal", nem a mais gorda nem a mais magra, mas durante uns tempos também perdi algum peso e não gostava (também devido a outros problemas). Mais recentemente, quando fui de Erasmus, engordei uns 3 Kg mas que fizeram muita diferença, e apesar de estar longe da obesidade não me sentia bem comigo nem com alguns comentários que havia. Agora já consegui ver-me livre desses quilos mas também tenho me dedicado mais ao desporto e à "comida saudável" e acho que o corpo perfeito é aquele que nos faz feliz.:)

Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

Briana disse...

Penso que o peso a mais vá virar moda. Até porque agora há cada vez mais consciencialização de que existem vários tipos de corpo e todos bonitos.
Ainda bem que começaste a aceitar mais o teu corpo e que comeces também a gostar de ti.
Eu conheço-te há muitos anos e nunca te vi como a rapariga muito magra com os ossos a notar-se..

SARA SILVA disse...

Por acaso, quando estava a escrever este post, lembrei-me de ti porque me acompanhaste durante grande parte desta fase! :D
Fico contente por saber que não tinhas essa percepção de mim, a nossa mente é que consegue ser a nossa pior inimiga :s
Beijinhos!

SARA SILVA disse...

Podes crer! Não interessa qual é o ideal de beleza, o que importa é sentirmo-nos bem com o que temos :)
Beijinhos *

Como tu própria dizes no post "gordinhas nunca vão entender o drama que é ser muito magra, tal como as muito magras nunca vão perceber o problema que é ter alguns quilos a mais" e eu faço ou fazia parte do outro grupo que não o teu... mas percebo exactamente o que tu dizes, nas roupas largas, no drama da praia (ainda hoje ficou nervosa quando vou a praia com os amigos), a relação com os rapazes era para morrer e isso notou-se muito quando comecei a falar com o meu actual namorado... Mas hoje temos de nos aceitar, eu, tu, e todas nós. Não esquecendo que muitas vezes a magreza extrema e a gordura em excesso são patológicas mas ainda assim só as aceitando é que podemos tentar lutar contra...

Parabéns pelo post de aceitação pessoal :) beijinho

Por aqui temos as duas versões. Eu (ela) tenho os tais quilos a mais. Eu (Ele) os quilos a menos. Ambos compreendemos perfeitamente os teus pontos de vista, por motivos distantes. Tanto num caso, como no outro, o estigma nos desvaloriza. Aliás, isso fez com que eu (Ela) pensásse que nem devíamos namorar porque íamos ser a piada. Mas sabes que mais?! Somos! E rimo-nos muiiiiito!
Nem tudo o que parece é eu (ele) consigo pega na ela ao colo, mas eu (Ela) nem pensar que o tiro do chão. Às vezes as aparências enganam muito. Não temos que seguir os moldes da sociedade para sermos felizes. Aliás, somos mais felizes se conseguirmos ultrapassar isso!

Daniela disse...

Durante muitos anos sofri muito com a magreza do meu corpo, com os ossos salientes e com as bocas dos outros. Hoje em dia peso um pouco mais do que o queria, pois durante um ano tive uma vida muito sedentária a escrever a tese e comia que me fartava e não estou contente. Não ando atrás do corpo perfeito pois esse não existe e o meu objetivo agora é conseguir o corpo que tinha antes da universidade: magro mas muito musculado :) Esse é para mim o meu corpo ideal, que para outra pessoa pode não ser, pois não somos todos iguais. Mas mesmo com 5 kg a mais continuo a ver as costelas, pois devido ao desporto e genética são bastante salientes e largas, mas isso já é algo que aceitei e ao qual já nem ligo :) Nunca estamos bem com o que temos e achamos que aqueles que têm o corpo que queríamos estão, mas até esses não se conformam :) Apenas temos que nos aceitar ou mudar se assim for possível, muitas das vezes essa mudança está no desporto pois esse muda bastante as formas do corpo :) Adorei este post!

Mundo Louco disse...

Sei bem como é isso

Obrigada pelo teu comentário ♡
{activa a opção 'Notificar-me' para saberes quando respondi}