reflexão | 'A mente é um campo de batalha'

3.3.16 SARA SILVA 4 Comments

do post 'passeio | Castelo de Leiria'
Eu acredito em campos energéticos, em auras, em energias positivas e negativas, e todo esse lado mais místico da vida, apesar de grande parte das vezes guardar as impressões apenas para mim.Vivemos numa sociedade muito céptica em relação a este assunto, mas a verdade é que diariamente somos influenciados e não nos damos conta - sobretudo pelos nossos próprios pensamentos.


Quando o meu pai emigrou e a minha vida deu uma volta de 180ºC, senti-me sem chão e não foi nada fácil lidar com isso nos primeiros meses. A minha mãe e irmão já estavam lá fora, eu saí de casa, não tinha trabalho: estava praticamente entregue a mim própria, sem ter tido tempo de me preparar. Estava de tal forma de rastos que o Zé, certo dia, me disse que achava que eu estava a entrar em depressão. Na altura achei ridículo mas, agora que olho para trás, talvez estivesse estado perto disso.

Demorou um bom tempo até conseguir recuperar, largar a capa de vítima que me fazia sentir impotente, mas de certa forma reconfortada, e perceber que a nossa vida depende da forma como a encaramos. Eu podia continuar a lamentar o que tinha acontecido, a relembrar uma época em que nada fazia prever aquilo, e entrar num círculo vicioso em que culpava tudo e todos... ou levantar a cabeça e seguir em frente para, literalmente, começar uma nova vida. 

Foi necessária toda uma ginástica mental para me livrar dos pensamentos negativos que diariamente me atormentavam e me transformavam numa pessoa descrente e angustiada. Felizmente tive noção do estado em que estava, e que dependia somente de mim mudar, porque aquela pessoa não era eu! {nesta fase, o livro "Seja líder de si mesmo" de Augusto Cury ajudou-me muito}

Eliminei da minha vida tudo o que me fazia sentir em baixo: as pessoas, os assuntos de conversa, e até os posts que lia e blogs que visitava. Era como se estivesse a passar por uma desintoxicação, e só o que fosse positivo podia fazer parte do meu dia-a-dia. Comecei a valorizar as pequenas-grandes coisas da vida e a minimizar as más, como se fossem apenas um pormenor, uma mancha que não sai, mas que podemos disfarçar.

E pouco a pouco comecei a sentir-me muito melhor, e a acreditar num amanhã melhor. As coisas boas foram acontecendo, e hoje vejo esta experiência como uma lição que não posso esquecer, por mais obstáculos que surjam.

Acredito verdadeiramente que, se me tivesse deixado ficar naquela névoa de negatividade, não teria chegado até aqui e conquistado tudo o que tenho hoje. A forma como pensamos e encaramos a vida tem realmente influência no que acontece!

Esta filosofia é muitas vezes apregoada como uma utopia, porque parece impossível atrair coisas boas e más com simples pensamentos. Eu não estudo metafísica, não aprofundo o tema, mas tive a minha prova de que é real, e que o famoso livro 'O segredo', tantas vezes ridicularizado, tem o seu quê de verdade.

Depois disto, a minha filosofia de vida é concentrar-me apenas nas coisas boas, e eliminar tudo o que considero tóxico. Claro que, como humana que sou, às vezes dou por mim a falar mal de alguém ou a invejar certas coisas, mas depressa repito ao exercício mental que pratiquei tantas vezes, e não me permito voltar à pessoa que fui.

Acredito que o mundo seria um sítio bem melhor se todos nós fizéssemos um esforço para nos mantermos longe do lado mais negro da vida e da nossa mente. Eles existem, sim, mas podemos contorná-los, porque merecemos viver, no verdadeiro sentido da palavra!

A mente é um constante campo de batalha, é traiçoeira e, se deixarmos, controla-nos de tal forma que nos faz perder de nós próprios e daquilo que realmente importa. É preciso estar atento, e questionar o que estamos a pensar e a sentir, sempre.

Posts relacionados

4 comentários:

Tens toda a razão... A nossa mente é sem dúvida o pior sítio para estarmos quando ela é negativa, ninguém nos critica tanto e nos põe para baixo como a nossa própria mente. Infelizmente, também sei bem o que é estarmos a lutar contra nós mesmos, e só com muito esforço é que nos livramos dessa tão bem pensada ideia da "capa de vítima", é que ela dá muito jeito às vezes para justificar as nossas atitudes, mas temos de ser superiores a isso. Ótimo texto, Sara, muito bom mesmo.

Mundos Mudos disse...

Concordo a 200% e cada vez mais sou apologista de que as boas energias movem o mundo! O mundo seria um lugar melhor, se as pessoas abandonassem a inveja e a maldade e se focassem nas coisas boas que têm na vida.

Sara disse...

Não poderia estar mais de acordo! Eu própria passei por grandes mudanças nos últimos dois anos, mas a maior de todas, sem dúvida, foi começar a colocar as energias negativas de lado... Ou a tentar. Acho que é uma "batalha" constante, porque, às vezes, é mais fácil darmo-nos como vencidos do que tentar mil e uma vezes até conseguir. Só é preciso força e determinação e acho que isso não te falta! ;)

Muitos parabéns por este texto e por tudo o que, com o teu esforço, conquitaste!Beijinho

Eu (ele) farto-me de dizer tudo isto à Ela, que acaba por estar numa fase destas... E eu (Ela) só tenho que me rever nestas tuas palavras e fazer o mesmo que tu. Obrigada pelas palavras. Acho que me estava a fazer falta, ainda que aqui o ele esteja sempre a procurar dizer-mas... :)

Obrigada pelo teu comentário ♡
{activa a opção 'Notificar-me' para saberes quando respondi}