reflexão | 'O absurdo da nossa geração'

5.10.14 Sara Silva 2 Comments

Se pesquisarem no Google, encontrarão um outro artigo com o mesmo título que este, do site Shifter, que vale a pena a vossa visita! Decidi assim apropriar-me à vontadinha do título porque é precisamente sobre esse artigo que vos falo nest post.

No artigo "O absurdo da nossa geração" fiquei a conhecer um artista muito curioso chamado Matthew Frost. Curioso porque, nas curtas metragens que cria (posso chamar curtas metragens a vídeos com menos de 3 minutos, certo?), ironiza atitudes da sociedade actual, sobretudo de pessoas da nossa idade, que são repetidas quase diariamente sem que se tenha noção do quanto ridículas que são. Curiosas? Eu assisti a três que abordam, cada uma, temas que nos são muito familiares: selfies de Instagram, blogs de moda e falta de senso comum (ou noção, se preferirem).
Convido-vos a assistir e a fazer uma análise deles:


Honestamente fiquei chocada com o vídeo da Kirsten Dunst. Eu acredito que existem mesmo pessoas assim, que olham para uma figura pública e vêem apenas o que ela representa, e não o que ela é: uma pessoa, com tudo o que isso significa. Além disso é impossível ficar indiferente a este tipo de atitudes de pessoas que fazem tudo para parecer e aparecer, para conseguirem a sua fama de 5 minutos e que não conseguem desviar as atenções do seu próprio umbigo.
O segundo vídeo até parece normal, se nos deixarmos envolver pelas imagens idílicas e não prestarmos atenção ao que é dito; passa-nos ao lado o registo irónico e damos por nós a pensar "Uau, que inspirador!". Porque a blogoesfera é feita disso: inspiração. Mas quanta dessa inspiração não passa de uma farsa, gerada por alguém que não tem a mínima ideia do que está a fazer, que se limita a imitar os outros, a adoptar determinado estilo de vida simplesmente porque está na moda?
Quanto ao terceiro e último filme, ele é o meu preferido! Sobretudo porque me revi no papel desse homem: eu também já tentei fotografar alguém à socapa (eu sei, shame on me), mas em minha defesa tenho a dizer que foi por uma razão relativamente justificável que neste momento não me recordo! E não é ridículo? Por momentos, para satisfazer a nossa necessidade de consumo (ou, como no caso do vídeo, a de alguém), perdemos completamente a noção e invadimos a privacidade de outra pessoa, achamos que podemos abusar dela e da sua imagem, simplesmente porque as fotografias se tornaram algo banal. Em que tipo de humanos nos estamos a tornar?

Posts relacionados

2 comentários:

Inês Miranda disse...

Olá Sara!
Muito obrigada pelas tuas palavras! Também gosto imenso do teu blog, o Luís já me tinha falado de ti :)
Achei o teu blog muito interessante, além de seres bonita és também muito talentosa, continua assim!! Quando tiver tempo vou ver os teus posts todos até ao fim eheh
Enquanto aos vídeos deste post, o último está mesmo hilariante! Os vídeos fazem-nos pensar tal como disseste "Em que tipo de humanos nos estamos a tornar?".
beijinhos!

Inês Miranda disse...

Eu acho que tens talento porque escreves muito bem, adoro ler o que escreves! E ao ler os teus posts (ainda não cheguei ao início do teu blog eheh!) tenho mais força e vontade de viver, porque através das tuas palavras, consegues transmitir imensa coisa! Eu considero isso como um talento e adoro principalmente quando escreves posts mais pessoais.
Desejo-te tudo de bom!
Beijinhos :)

Obrigada pelo teu comentário ♡
{activa a opção 'Notificar-me' para saberes quando respondi}