reflexão | O efeito melancólico das redes sociais

12.12.13 SARA SILVA 9 Comments

No outro dia estava a ouvir na rádio uma senhora falar sobre o impacto que as redes sociais têm na nossa auto-estima. Ela defendia que, de forma geral, elas contribuem para que tenhamos uma visão negativa de nós e da nossa vida, ao compararmo-nos quase instantaneamente com os outros, tendo por base o que é partilhado. E o que é partilhado é, muitas vezes, só o que se tem e faz de bom: aquela camisola incrível comprada em promoção, o almoço apetitoso e tentador, o fim-de-semana fantástico passado com a melhor companhia, a prenda oferecida pelo namorado, a maquilhagem linda que se conseguiu recriar, o emprego que encontrámos... e tudo isso é legítimo, pois (felizmente) poucas pessoas têm gosto em mostrar os "podres" da sua vida. No entanto, quando publicamos esse tipo de coisas, pensamos no que irão sentir as pessoas que estão do outro lado? Provavelmente não, porque de forma geral não publicamos para causar efeitos em alguém, simplesmente para dar a conhecer o que andamos a fazer e as coisas de que nos orgulhamos. Se alguém se fica a sentir mal, a culpa não é nossa, somos livres de publicar o que queremos nas nossas redes sociais (desde que não ponhamos em causa a dignidade de ninguém, o que não é o caso).

Mas a verdade é que este efeito acontece. Comigo também acontece. Olhando à minha volta, eu posso considerar-me sortuda por ter o que tenho, no entanto, como é natural, há pessoas à minha volta que fazem/têm coisas que eu também gostaria de fazer/ter. E pode ser algo tão simples como elas estarem a passar um óptimo bocado num dia de sol a descontrair na esplanada com amigas, enquanto eu estou em casa a tentar motivar-me para acabar um trabalho da escola ou a estudar para uma frequência. Não significa que eu me sinta invejosa, porque eu também posso fazer o mesmo, mas não no momento presente, e o facto de eu ter visto no facebook ou no instagram que elas estão a divertir-se enquanto eu tenho de estar a fazer uma coisa que não me agrada nada, faz-me sentir menos satisfeita com a minha vida no presente momento. E se juntarmos a este episódio muitos outros que vamos vendo ao longo do dia através das redes sociais, é natural que nos sintamos ligeiramente em baixo. Parece ridículo, mas quando somos bombardeados diariamente com a "vida boa" dos outros, a teoria da senhora da rádio começa a fazer sentido...

E esta questão tem mais a ver com espírito de conformismo e de aceitação do que propriamente de auto-estima elevada ou baixa. Nós podemos sentir-nos bem com a nossa vida, com o que temos, com o que somos, mas infelizmente nem nós nem a nossa vida é perfeita. E o que as pessoas partilham nas redes sociais dá a entender que a vida delas sim, é muito melhor comparada com a nossa. Mas há algo que muitas vezes nos escapa: essas pessoas só mostram o que querem, nós não sabemos o que realmente se passa na vida delas e decerto que nem tudo é tão bom e bonito como elas mostram. Sendo assim, para quê compararmos? 



Posts relacionados

9 comentários:

Emma disse...

Não podia estar mais de acordo. Cada um só mostra o que quer, e nós muitas vezes, também podemos ser causadores dessa inveja, sem intenção. É preciso lembrar-mo-nos dessas duas coisinhas fundamentais, para não nos deixarmos desmotivar.
Beijinhos*

Miss S. disse...

Acho que tudo depende da maneira como encaramos a vida. Eu concordo com os teus dois últimos pontos e gostava de acrescentar um terceiro: sentirmo-nos felizes pela felicidade e sucesso alheios. Tudo depende da nossa atitude interior.
Quando temos o coração cheio de sentimentos positivos, conseguimos receber tudo de bom que os outros têm para nos dar, assim como dar aos outros tudo o que temos de bom dentro de nós.
Eu falo por mim, não sinto inveja ou infelicidade por ver nos blogs ou instagrams, etc. aqueles momentos "cor de rosa". Quanto muito, fazem-me sorrir :-) Gosto de ver pessoas felizes à minha volta :-)
Acho que faz falta as pessoas refletirem ou meditarem (eu tento fazer isso com frequência) sobre o que devem estar agradecidos na suas vidas (como referiste na última linha).

Adoro a tua capacidade de exteriorizar aquilo que muitas vezes sinto mas não consigo escrever.
Eu própria fico muitas vezes dos dois lados da moeda, também mostro coisas que me deixam feliz e por vezes também fico "triste" ao ver a felicidade dos outros nas redes sociais. Mas o importante mesmo é tirarmos disto a lição de saber dar valor às coisas boas da nossa vida :)

Sara Silva disse...

concordo contigo, é claro que devemos ficar felizes com a felicidade dos outros. mas por vezes estamos tão frustrados com o momento presente da nossa vida que acabamos por não conseguir ver o lado positivo dessas partilhas e simplesmente nos sentimos inferiores.
beijinhos *

Miss S. disse...

Acho que com o passar dos anos, vamos amadurecendo e, com a experiência de vida que vamos acumulando e lições que vamos aprendendo, vamo-nos tornando mais seguras, confortáveis e confiantes connosco e com as nossas vidas :-)
Essa tranquilidade vai surgir na tua vida, vais ver :-)
Beijinhos e felicidades!

Sara Silva disse...

claro, mas mulher que é mulher tem sempre as suas fragilidades e dias em que se acha menos especial :P
Beijinhos e felicidades para ti também! :)

Sara Silva disse...

sim, é errado quando deixamos que este tipo de coisas nos afectem demasiado! e fico contente por pensares como eu :)
obrigada e beijinhos *

curtidas disse...

acho que depende de cada pessoa, mas concordo com seu artigo, bjs

postagens disse...

Excelente post, Já está marcado nos meus favoritos, parabéns.e muito Site de Swing um abraço

Obrigada pelo teu comentário ♡
{activa a opção 'Notificar-me' para saberes quando respondi}