viagem | 11 curiosidades sobre Łódź / Polónia

by - quinta-feira, novembro 15, 2012

Já se contam quase 2 meses desde que cá estou a viver neste país cinzento e frio. Mas porque nem tudo o que por aqui se passa eu vos consigo dar a conhecer através de fotografias, e porque sei que muitas de vós estão curiosas em relação a esta minha experiência de Erasmus e têm curiosidade em conhecer um pouco deste país, decidi fazer um apanhado de coisas aleatórias que acho de interesse.
Aqui vão:


  • Floristas everywhere: aqui em Łódź, pelo menos, é praticamente impossível andar 1km sem dar de caras com uma barraquinha a vender flores. Isto agrada-me muito porque é como se as ruas tivessem pequenos jardins coloridos e as flores são realmente bonitas! 


  • Xenofobia: tenho vindo a aperceber-me que muitas das pessoas de cá não gosta de estrangeiros, principalmente as mais idosas. Não nos agridem fisicamente, mas falam-nos mal quando tentamos pedir informações, desprezam-nos e fazem coisas para nos assustar. Mas nem todos são assim, a maioria apenas nos olha de lado e/ou ignora (chega ao ponto de nem se sentarem ao nosso lado no autocarro).


  • Sobretudos beges e chapéus: por falar em pessoas idosas, já reparei que quase todas as mulheres de idade usam sobretudos beges e chapéus (deste género). Não sei se é alguma espécie de tradição, mas não deixa de ser uma curiosidade engraçada.


  • Facilidades com autocarros: é realmente muito fácil deslocarmo-nos cá porque os autocarros passam de 10 em 10 min em cada paragem e há os trams: eléctricos que se deslocam mais no centro da cidade. Até podemos viajar gratuitamente porque raramente aparece alguém para verificar se temos bilhete ou não (se nos apanharem, a multa é de 25€).


  • Kebabs: eu não sei se é alguma obsessão deste pessoal ou não, mas em todo o lado se vendem kebabs! Até podemos encontrar batatas fritas com este sabor e pizzas de kebab. Ainda assim, continuo a preferir os de Portugal.


  • Poucas horas de sol: aqui começa a anoitecer às 16h (e já nos disseram que, no pico no inverno, fica de noite às 15h!). Isto é muito deprimente porque dá a sensação que o dia é mais curto e, por ficar de noite tão cedo, não temos tanto tempo para visitar sítios ao ar livre. Acontece muitas vezes serem apenas 18h e eu ter a sensação que já são 22h.


  • Fins-de-semana de bêbedos: por cá é proibido andar na rua com garrafas de álcool, mas ao fim de semana é comum ver isso. Principalmente homens, visivelmente bêbedos, seja de manhã, à tarde ou à noite. Nunca nos fizeram mal, mas reclamam muito sozinhos.


  • Associações a Portugal: quando digo que sou de Portugal (a outros estudantes de Erasmus, porque os polacos não querem saber), há duas coisas nas quais falam logo: Cristiano Ronaldo e Michel Teló. Sobre o primeiro mostro sempre o meu sorriso amarelo e digo "ah sim, Cristiano Ronaldo..." (porque de futebol não percebo muito e ele não me fascina), quanto ao segundo deixo bem claro que é brasileiro.


  • Devoção a cemitérios: cá os cemitérios são enormes, com muitas árvores e estão sempre repletos de flores nas campas. É normal ver várias pessoas a visitá-los ao longo do dia e, para ajudar nesta devoção, os supermercados têm um corredor só de objectos para esse fim, principalmente velas e flores de plástico.


  • Endro, beterraba, pickles e couve branca: estes são os ingredientes que os polacos mais usam na sua gastronomia.


  • À vontades no local de trabalho: não sei se é em todo o lado que isto acontece mas é habitual ver, em lojas, funcionárias a comerem fruta atrás do balcão, ou a beberem chás. E as operadoras de caixa dos supermercados nunca têm pressa nenhuma e, se um artigo estiver mal registado no sistema ou com defeito, elas não fazem nada: simplesmente põem-no de parte e nós que o compremos para a próxima ou que vamos buscar outro.


Posts relacionados

11 comentários

  1. Não fazia ideia de metade, é interessante! :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. daqui a uns tempos vejo se faço um post com mais curiosidades :)

      Eliminar
  2. O nosso pais apesar de tudo é muito afectuoso, a ideia que tenho e pelo que conheço de alguns pais , não à muitos como Portugal em termos de hospitalidade.

    BJ LINDA!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, comparados com os polacos não há duvidas da razão pelo que os estrangeiros acham os portugueses tão hospitaleiros e acolhedores! :)

      Eliminar
  3. Não deixa de ser interessante, mas realmente não parece ser um povo simpático e positivo :\

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu acredito que eles não sejam um povo assim tão negativo, mas nota-se que no que toca a estrangeiros, eles mudam de atitude. mas claro que, felizmente, há excepções :)

      Eliminar
    2. Claro :)
      Também a sua história recente pode ter influenciado tanto negativismo.. não sei se já viste este video, mas se não, recomendo! Resume a história da Polónia numa animação espectacular :)
      link: http://vimeo.com/13763341#

      Eliminar
  4. Partilho da mesma opinião dos restantes comentários, a ideia que passa é que eles aí não são um poço de boa-disposição e simpatia, se calhar é da temperatura, supostamente nos países com temperaturas baixas as pessoas costumam ser mais fechadas, no entanto não acho que se justifique o tipo de tratamento que vocês estão a receber, isso demonstra um pouco a ignorância de certos povos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, eu também acho que pode ter a ver com a temperatura, apesar de não saber se isso está comprovado cientificamente ou não...
      eu acho realmente injusto tendo em conta o passado deles, nomeadamente o holocausto: deviam ser mais tolerantes com outras nacionalidades, mas pelos vistos isso teve efeito contrário neles

      Eliminar
  5. Engraçado que por norma no sul temos sempre mais hospitalidade, não sei se é mesmo do frio, lá em cima são todos mais frios xD anyway! espero que te estejas a aguentar bem...

    ResponderEliminar
  6. HAHAHAHHAHAHAHAHHAHAHHAHAHAHHA Vou tirar um 20 yô AHAHAHHAHA

    ResponderEliminar

Obrigada pelo teu comentário ♡
{activa a opção 'Notificar-me' para saberes quando respondi}