reflexão | 'Se não fazes o que gostas, aprende a gostar do que fazes'

by - sexta-feira, setembro 07, 2012

Das coisas mais certas que há neste mundo, uma delas é que temos de trabalhar durante grande parte da nossa vida (salvo raras excepções). A idade para começar varia de acordo com as nossas necessidades, obrigações ou prioridades, e eu sei que, sendo jovens, por vezes é difícil encontrar motivação para enfrentar mais um dia de trabalho. As razões são muitas: ou porque não gostamos do que fazemos, ou porque parte dos nossos amigos estão de férias enquanto nós trabalhamos, porque temos menos tempo livre, porque o ordenado não é grande (...). Chega até a parecer cruel e, fazendo parte desta realidade, torna-se difícil encontrar vontade para continuar e evitar não encarar o trabalho como um sacrifício. E trabalhar é, realmente, um sacrifício para a maioria das pessoas, mas há que saber encontrar razões para o transformar em algo positivo - ou, pelo menos, menos negativo.
ao

A ideia para este post surgiu através da minha própria experiência: neste verão tenho estado a trabalhar como operária numa fábrica e este não é, de todo, o meu trabalho de sonho. No entanto, ao longo do tempo em que lá estou e feita a retrospecção dos outros sítios onde já trabalhei, tenho vindo a aprender a olhar para o lado positivo e encontrar motivação para, todos os dias, cumprir com a minha obrigação de trabalhadora. 

De forma a poder ajudar quem efectivamente tem de trabalhar, mas não consegue encontrar satisfação naquilo que faz, seguem algumas dicas práticas:


  • Definir objectivos e centrar-se neles: as pessoas trabalham para receber dinheiro e esse mesmo dinheiro servirá para satisfazer as suas necessidades e/ou objectivos. Por isso é importante interiorizarem o porquê de estarem a trabalhar (ex.: para pagar a universidade, para fazer uma viagem, juntar dinheiro para o futuro, para ajudar a família...) e mentalizarem-se que, para conseguirem alcançar esse objectivo, terão de continuar a esforçarem-se.


  • Perceber que o vosso trabalho não é o pior: quando não gostamos do que fazemos, tudo o resto parece mais convidativo. Mas não é bem assim, porque se formos mais a fundo, todas as profissões têm as suas vantagens e desvantagens, basta pensar nisso de forma realista. Além disso, será mais fácil perceberem este ponto se já tiverem experiência em vários tipos de trabalho, de forma a poderem compará-los. Se ainda assim não estiverem convencidas, convido-vos a verem alguns episódios do Dirty Jobs, um programa do Discovery onde se fala de trabalhos que poucas pessoas gostariam de executar, por serem realmente maus  (depois de verem, decerto que vão valorizar mais o vosso).


  • Olhar mais para os aspectos positivos: quando estamos desagradados em relação a alguma coisa, temos tendência para ver apenas o lado mau e a isso chama-se pessimismo, o que não ajuda nada quando estão a tentar encontrar motivação. O vosso trabalho pode não ser perfeito, mas de certeza que tem coisas positivas que vocês não estão a valorizar, e pode ser algo tão simples como a existência de ar condicionado (já experimentaram trabalhar com 35º?), inexistência de ruídos elevados (que dificultam qualquer tipo de comunicação e faz com que, passado umas horas, se sintam um autêntico robot), o facto de o executarem sentadas (...). Mais uma vez, talvez só consigam valorizar estas pequenas coisas depois de já terem trabalhado noutros locais que não tinham esses privilégios.


  • Manter pensamento positivo: se, ao acordarem, encararem o dia como mais uma tortura e estiverem sempre a queixa-se de tudo, é normal que ele não corra da melhor forma (sabem que pensamentos negativos atraem coisas negativas e vice-versa? é verdade!). Por isso, devem tentar, ao máximo, evitar os pensamentos negativos relacionados com o vosso trabalho porque, assim, só se sentirão ainda mais indignadas e insatisfeitas. Por exemplo: de forma a animar-me durante o período da manhã, ouço sempre as Manhãs da Comercial no meu trabalho (um dos privilégios é poder ouvir rádio/música com phones durante todo o dia), porque a equipa está sempre muito bem disposta, divertida, e provavelmente até vos irão arrancar alguns sorrisos!


  • Esquecer as horas: ok, já jeito saber se falta muito tempo para a hora de almoço ou para a hora de saída, mas estar constantemente a olhar para o relógio só dá ilusão de que o tempo não passa, o que vos fará ficar mais angustiadas. Fica a dica: sempre que se lembrarem de checkar as horas, pensem para vocês próprias: "Não o vou fazer agora." e, quando derem por isso, já passou 1 ou 2 horas desde a última vez que o fizeram!


  • Fazer amigas/os no posto de trabalho: ou, pelo menos, tentar criar algum tipo de ligação com os colegas. Isso ajudará à sensação de bom ambiente e compressão mútua - afinal, eles trabalham no mesmo que vocês. Além disso, assim poderão  sempre dar um ou dois dedos de conversa ocasionalmente, o que fará quebrar a monotonia e aborrecimento.


  • Aprender a gostar do que se faz: se trabalham no que trabalham, é porque não acham que seja assim tão mau, caso contrário já se teriam ido embora. Sendo assim, há que pegar nessa pouca afeição e transformá-la em dedicação. Percebam qual a vossa importância no vosso local de trabalho e esforcem-se por melhorar o que fazem, tomando o gosto por fazer as coisas bem feitas.


E é isto. Pelo meio poderia criar outros pontos mas, no fundo, vão todos dar ao mesmo: a motivação não surge se não a procurarem, se insistirem em olhar sempre para o lado negativo e se estiverem sempre a queixar-se de tudo. 
Além de tudo isto, há ainda um argumento que deixa todos os outros por terra: dá-te por feliz por teres um trabalho, quando actualmente existem muitas pessoas que dariam tudo para estarem no teu lugar. E essa mesma razão serve para te esforçares mais no que fazes porque, se não fores boa o suficiente, corres o risco de ser substituída.

Posts relacionados

0 comentários

Obrigada pelo teu comentário ♡
{activa a opção 'Notificar-me' para saberes quando respondi}