reflexão | Necessidade de mudar

22.5.12 SARA SILVA 8 Comments



Tenho andado meio perdida deste que acabei o secundário, confrontada com a dúvida o que fazer agora? Na verdade, eu sabia bem o que fazer, mas fizeram-me acreditar que seguir o outro caminho seria melhor para mim, porque estou na idade disso, porque tenho a vida toda para trabalhar, porque mais tarde não ia querer voltar a estudar...
Tudo bem, eu convenci-me disso. Candidatei-me e, com uma facilidade que não esperava, fiz os exames e entrei na minha primeira opção e na primeira fase de um curso que, se dependesse apenas de mim, estaria na 2ª ou 3ª opção.
Fui procurando motivações, trabalhei para acarretar com as despesas, esforcei-me para ter notas razoáveis, participei nas actividades que estavam ao meu alcance... no fundo penso que fiz o que podia para realmente ter prazer em estar a tirar este curso mas, agora que o ano lectivo está a acabar, começo a fazer uma retrospecção e fico à conclusão que a ideia inicial ainda permanece e que nada foi suficiente para me demover dela.

As últimas semanas não têm sido fáceis noutro aspecto da minha vida e, além de outras implicações, fizeram com que os meus objectivos se tornassem mais consistentes: tenho ainda mais certezas do que quero e começo agora a antecipar o percurso alternativo que poderei seguir para os concretizar. Mas esse percurso, apesar de real, provavelmente parecerá precipitado para a maioria das pessoas que me conhece porque, neste momento, a minha prioridade deveria ser o curso. Eu não vejo as coisas da mesma forma e quero começar agora a preparar-me para concretizar o que quero estar a viver daqui a cerca de 2 ou 3 anos: quero sair de casa, viver por minha conta, ter um emprego e não um trabalho, quero fazer alguma coisa da vida que não seja tirar uma licenciatura que "não me aquece nem me arrefece". De forma a não ser tão radical na minha decisão, posso optar pelo meio termo, que é conjugar ambas as coisas, mas não sei até que ponto isso não significaria, com o passar do tempo, abandonar uma delas.

Sinto-me desamparada, perdida e sem saber que rumo hei-de dar à minha vida. Já senti isto algumas vezes no passado, mas nunca durante tanto tempo, e penso que o que torna tudo isto mais difícil, é ter toda a gente a dizer-me para fazer algo que eu não quero, mas que é melhor para mim. Melhor a longo-prazo porque, por enquanto, fico na mesma: angustiada e com dúvidas...

Posts relacionados

8 comentários:

Ânia Morouço disse...

Não te quero influenciar negativamente, mas estares a seguir o sonho de outra pessoa ou fazeres o que não queres e não te sentires realizada com isso, só te vai fazer mais infeliz, quando tiveres 40 anos vais olhar para tras e vais sentir-te mal porque a vida e tua e tu viveste-a em função dos outros. Não tomes decisões precipitadas mas faz o que te deixa feliz e realizada. Beijinhos

Daniela disse...

Princesa, daqui é a Daniela das madeixas vermelhas do facebook, li o teu post e percebi que a angustia da não expressão total daquilo que és te preenche mas não percebi ao certo porquê. Sei que não tenho nada a ver com isso porque nem te conheço mas de algum modo fiquei tocada com o que li e gostaria de te dar uma força mais "direccionada" se eventualmente quiseres partilhar connosco/comigo um pouco mais em forma de catarse !
BEIJOS E FORÇA

Raquel Mendes disse...

Infelizmente tenho muitos momentos desses, mas começo-me a aperceber que devo fazer o que me fará feliz e não o que acham que é melhor para mim...

Força*

ʝoana disse...

Tendo em conta aquilo que percebi segundo as tuas palavras, concluo que tu como poucos tem consciência que nem sempre a licenciatura é sinónimo de trabalho futuro. Há licenciaturas e licenciaturas. Em algumas focar-nos única e exclusivamente nela pode ser uma boa aposta. Noutras julgo que temos que ter a mente mais assente na terra e jogar em várias vertentes. Pelo que percebi, tu estás disposta ou alerta a fazê-lo.

Deixo-te com um conselho: Se ouvires sempre todo o mundo em teu redor, até mesmo aqueles que te amam e te querem vem, nunca sais do mesmo sítio, porque só ajudam a nos confundir ainda mais.

De certa maneira já passei por isso.
Considero o meu curso dificílimo e por muitos vezes no Passado me questionei se o meu caminho não era outro. Acabei por contrariar muitas vozes e mentalizei-me que era capaz.

Resta-te a ti tomares a tua decisão e convenceres-te que é o melhor para ti.

Sara Silva disse...

Ânia Morouço: eu, de certa forma, não estou só a tirar o curso porque simplesmente me disseram que era o melhor para mim, mas também porque sei que uma licenciatura poderá vir a dar jeito no futuro, apenas acho que não veio na melhor ocasião e que estaria mais satisfeita se estivesse noutra área :s

Daniela: ahah, adorei o "daqui é a Daniela das madeixas vermelhas do facebook", cheguei logo lá :D
no fundo, o principal problema é estar a tirar um curso que pouco me diz, e isso faz com que eu esteja sempre a pensar que isto talvez não seja o melhor para mim :s
eu agradeço-te muito a tua amabilidade para me ajudares, mas eu sou uma pessoa um bocado reservada no que toca a falar dos meus problemas :x mas fico contente por saber que estás disponível, obrigada! :)

Raquel Mendes: obrigada Raquel :) a questão é que eu não sei até que ponto seguir os conselhos dos outros me trará benefícios no futuro, no que toca a tirar esta licenciatura :s

ʝoana: sim, acertaste nesses palpites sobre mim porque eu nunca encarei uma licenciatura como a certeza de um futuro melhor e a minha é mesmo um desses casos em que temos de abrir a mente e tentar aplica-la em vários contextos.
obrigada pelo teu conselho, porque é isso que me confunde mais: supostamente as pessoas que me querem bem, estarão certas no que me aconselham a fazer, porque têm uma visão mais ampla da minha situação.
dou-te os parabéns por, apesar das adversidades, estares a seguir o que realmente queres! :) espero em breve encontrar a mesma determinação...

Letra D disse...

Também me sinto um pouco assim, mas nem tanto. Mas olha, na minha opinião, faz o que queres, porque mesmo que seja um erro pelo menos tentaste. eu sei que é dificil não ceder a pressões dos outros,especialmente da familia, porque ficamos (pelo menos falo por mim) com medo de estarmos a ser ingénuos e a não fazer o melhor para nós. Mas as vezes o melhor para nós não é o normal, e o que importa é seres feliz. passamos demasiado tempo da vida a viver a pensar no que os outros dizem, e viver para os outros e assim não conseguimos ser realmente felizes.

beijinhos e força*

Anónimo disse...

Já passou quase um ano desde que escreveste este post mas identifico-me bastante com ele. Desde que acabei o secundário não sei bem o que fazer da vida. Consegui entrar no curso que escolhi como 1ª opção mas apenas para dizer que estou a tirar um curso superior :s Deixei andar e agora, já a meio do 2º ano de licenciatura, não sei até que ponto este me favorece. Quero mudar totalmente de direcção e para algo minimamente seguro mas não está a ser fácil encontrar o que me deixe realmente feliz e realizada. Anyway, isto foi só um desabafo. Espero que por esta altura estejas melhor :p boa sorte

Sara Silva disse...

ao ler o teu comentário pareceu-me que tinha sido eu a escreve-lo, ahaha. porque estamos numa situação igual...
é realmente difícil encontrar o que é suposto eu estar a fazer, mas acredito que esse tempo há-de chegar :)
actualmente continuo na mesma, podes ler tudo aqui neste post: http://eighteenandalife.blogspot.pt/2013/02/eu-o-curso-e-universidade-outra-vez.html
beijinhos e boa sorte para ti também! :)

Obrigada pelo teu comentário ♡
{activa a opção 'Notificar-me' para saberes quando respondi}