A remodelação do outro quarto


Eu e o Zé temos passado os últimos meses a turbinar a nossa casa - mas não ao estilo Ana Malhoa, urgh! Finalmente demos dignidade à última divisão da casa que não acompanhou a remodelação em 2014: o outro quarto ("outro" porque a casa tem 2 quartos, e um deles é aquele em que dormimos).


Compar na Showroomprive - as minhas 3 experiências



Já aqui disse várias vezes que estou cada vez mais rendida às compras online. É tão mais tranquilo poder ver os produtos em casa, com tempo para escolher, sem lojas cheias e desorganizada!
O último site de compras online que decidi experimentar foi a Showroomprive. Já a conheço há imenso tempo, mas só recentemente fiz a minha primeira encomenda. Um colega falou-me da experiência positiva que teve ao encomendar nesta loja, e eu senti-me confiante para avançar.

A primeira encomenda

Depois de nos registarmos na Showroomprive, temos acesso a todas as vendas em vigor (que estão disponíveis por tempo limitado). Os pontos mais atractivos são a facilidade de navegação, as marcas e a redução de preços dos produtos, pelo que encontramos bons achados lá! Eu decidi apostar nuns botins que estavam à venda por 15€ (não me lembro do PVP). Com os portes ficavam a 20€ e qualquer coisa mas, como eu tinha um cupão de aniversário de 10€ para descontar, comprei os botins por pouco mais de 10€!


Os botins chegaram dentro do prazo previsto e são tal e qual como a fotografia que estava no site - com o bónus do número corresponder ao que calço, pelo que não tive de os trocar!

Mas reparei numa coisa estranha...

O site deu a entender que os botins eram Alain Manoukian, o que estranhei, por estarem tão baratos. Felizmente não os comprei por causa da marca porque, quer na caixa, quer no papel crepe e nos próprios botins, está apenas escrito Manoukian, e não havia etiqueta nem saquinho, como seria de esperar se realmente fossem de uma marca conceituada. Pesquisei sobre o assunto e, depois de tanta referência contraditória, fiquei confusa, sem perceber que marca é esta, que supostamente já nem existe - alguém que consiga explicar?
Gostava que a Showroomprive apresentasse melhor as marcas que vende, porque a maioria são francesas e, além de não nos dizerem muito, ainda geram confusão. Mas, mistérios à parte, o que interessa é que fiquei satisfeita com os botins, e isso motivou-me a continuar a comprar no site!


A segunda compra e uma experiência menos boa

A partir daí comecei a visitar a Showroomprive várias vezes por semana - o facto de as marcas à venda mudarem com frequência incentiva a isso. Fiz uma segunda compra, que chegou esta semana, mas que se revelou uma experiência foi um pouco diferente...
Quando encomendei, ignorei a página com as referências multibanco para pagamento, porque supus que, tal como aconteceu com a encomenda anterior, eu as receberia por email. Mas tal não aconteceu: faltavam os dados de pagamento no email e eu só tinha até ao final do dia seguinte para pagar a encomenda, ou ela seria anulada - e não podia voltar a repetir a compra porque, entretanto, a venda já tinha desaparecido do site!
Na tentativa de resolver o problema rapidamente, telefonei para a linha de apoio PT da Showroomprive (a pagar!). A resposta que ouvi do outro lado, de cada vez que eu insistia para me resolverem a situação, era: "Lamento mas não temos acesso a essas informações, o cliente deve registá-las para efectuar o pagamento. Se não as recebeu por email é porque se trata de um erro". Boa! Eu estava a ser prejudicada por um erro que não era meu e a empresa não podia fazer nada para me ajudar.

Ainda nesse dia, e por razões que não consigo explicar, lá consegui ter acesso aos dados de pagamento e pagar a tempo - quem recebeu o email com os dados incompletos foi o Zé e, quando mo reencaminhou, os dados apareciam todos! Para piorar a experiência, esta encomenda chegou com 1 semana e meia de atraso e, mesmo depois de eu ter recebido o email a informar que tinha sido expedida, no site dos CTT a mensagem que aparecia era "Objeto não encontrado".
Curiosas com esta encomenda? Conheçam o artigo ⟶ neste post ⟵


Dar o benefício da dúvida... e arrepender-me

Se a experiência anterior tivesse sido a primeira, ia demorar até que eu voltasse a confiar no site. Mas, como a primeira vez tinha corrido bem e eu voltei a encontrar artigos muito interessantes à venda, decidi encomendar pela terceira vez - mas mais valia estar quieta!
Nesta terceira encomenda mandei vir uma saia e um outro par de botins. Houve novamente atraso na entrega mas, pior que isso, foi a desilusão quando abri a caixa dos botins: cor e tamanho errados! Como é possível?! Veio-me logo à cabeça que o mais provável seria terem trocado o meu pedido pelo de outra pessoa.
Nisto, fui procurar no site qual o procedimento para a devolução do artigo e respectivo reembolso. Está tudo muito bem explicado aqui e fiquei aliviada por saber que não me seriam cobrados os valores dos portes porque a devolução era devido a um erro deles.

No momento em que escrevo este post já se passou mais de um mês desde este incidente e, para não estar a detalhar o processo penoso que foi finalmente receber o reembolso do artigo, só vos digo uma coisa: preparem-se para insistir bastante (por email e por telefone) até receberem o dinheiro que vos é devido - e não desistam!


Se ainda assim quiserem encomendar na Showroomprive...

Apesar de todos estes contras, não posso negar que a Showroomprive tem vendas muito atrativas! Se quiserem avançar com uma compra, prestem atenção às seguintes dicas: 
  • Prefiram encomendar artigos cujo tamanho não seja relevante (o que exclui a roupa e o calçado), ou arriscam-se a receber os artigos em tamanhos errados e a passarem por um processo de devolução demasiado longo;
  • A maioria das vendas aparecem com o nome de uma marca, mas outras têm apenas títulos genéricos como "Moda Mulher", "Calçado Tendência", etc. Não hesitem em clicar nessas vendas também porque, dentro delas, estão indicadas as marcas dos produtos;
  • Não encomendem determinado produto apenas porque tem uma percentagem de desconto grande! É provável que o site aumente o PVP para dar a ilusão de grande diferença de preços;
  • Já encontrei no site produtos sem qualquer redução de preço (como cosméticos da L'Oreal). Não sei porque é que isso acontece, mas vale a pena ficarem atentas para não se iludirem;
  • vendas que desaparecem de um momento para o outro ainda que, na hora anterior, grande parte dos produtos estivessem disponíveis. Também não sei por que acontece, mas contribui muito para a pressão de "Tenho de comprar agora!";
  • Por vezes, quando abrem um produto e seleccionam o tamanho que pretendem encomendar, aparece um botão cinzento a dizer "Propor preço". É um género de licitação: vocês sugerem um preço mais baixo que o da venda e o site pode aceitar ou não. Também isto é um mistério para mim, mas já cheguei a receber uma redução de 4€!
  • Se encomendarem 2 ou mais produtos de diferentes vendas/marcas, o valor dos portes será diferente e o prazo para entrega também (o que significa que os receberão separadamente);
  • Ao longo do processo de compra vão surgindo prazos estimados de entrega que diferem de etapa para etapa. Passado uns dias recebem o email de aviso de expedição e data estimada de entrega que, para nosso espanto, é diferente das anteriores;
  • Existem ainda vales de desconto que podem obter de duas formas: no vosso aniversário (10€ para descontar numa compra sem valor mínimo) e apadrinhando alguém (quando a pessoa faz uma encomenda, vocês recebem 12€ para descontar numa compra cima de 45€).

Já encomendaram na Showroomprive? Partilhem nos comentários a vossa experiência!
(espero que tenha sido melhor que esta minha última) 

O cão de balão mealheiro


Tenho vindo a perceber que, quanto mais nos esforçamos para que as nossas casas se pareçam com os exemplos imaculados, dignos de exposição, que vemos nas revistas ou no Pinterest, mais impessoais elas se tornam - escrevi sobre isso neste post. Para contrariar a tendência, acredito que o segredo para ter uma casa interessante e real passa pelo artesanato (fazermos nós próprios algumas coisas, em vez de comprar) e surpreender com elementos inesperados e divertidos (exemplos: um instrumento musical ou pratos pendurados na parede, ramos de árvore como cabides, almofadas realistas, etc.).

Foi a pensar nisso que encomendei este cão de balão mealheiro do Showroomprive (saibam mais sobre o processo de encomenda neste post)! Achei irresistível o facto de imitar um cão de balão - adoro esculturas em balão! -  mas ser em cerâmica. Dispensaria as aberturas que o torna um mealheiro, porque não me imagino a usá-lo como um (até aposto que as moedas ficaram presas dentro dele).


Este artigo pertence à marca francesa de design e decoração The Factory Concept, que eu não conhecia, mas da qual me tornei fã assim que vi os produtos à venda na Showroomprive! O PVP dos artigos é um pouco mais do que eu estou disposta a dar, mas este cão de cerâmica ficou-me a 14€ e pouco, já com os portes incluídos (desculpem, não me lembro do PVP!). Achei uma boa compra, sobretudo por ser tão original e por nunca o ter visto nas lojas de decoração que visito!


Apenas tenho uma coisa a apontar: pequenas imperfeições que poderia ter evitado se o tivesse comprado numa loja física (eu sou daquelas pessoas que examinam criteriosamente todo o artigo, à procura de defeitos, antes de o levar para a caixa). Falo de uns "furinhos", provavelmente devido a bolhas na tinta (?), que o artigo tem em alguns sítios...


Ainda assim não acho que seja grave o suficiente para me arrepender da compra - pior seria se ele tivesse chegado partido!

A The Factory Concept é agora uma marca à qual vou ficar atenta, porque tem artigos fora do comum e que tornam a decoração de qualquer espaço um pouco mais divertida - espreitem o site! O meu cão mealheiro já se juntou a outros artigos da mesma cor que entretanto comprei (como este jarrão) e, quando os tiver arrumados no devido sítio (tenho de fazer umas mudanças na sala...) mostro-vos como ficou! :)

A nossa casa-de-banho (antes e depois)


Pouco a pouco tenho vindo a mostrar-vos como ficou a nossa casa depois das remodelações em 2014. Aqui podem ver a sala (o primeiro post do género que fiz, ainda nesse ano, pelo que já está a precisar de uma actualização...), aqui podem ver o nosso quarto e aqui a cozinha. Hoje chega a vez de vos mostrar a casa-de-banho, a minha preferida!

Antes de começarmos com as alterações, o que é hoje a nossa casa-de-banho era dantes um quarto pequeno. Sabíamos que como casa-de-banho seria um pouco maior que o habitual mas, dado que não queríamos mexer com a estrutura da casa, pareceu-nos a escolha mais acertada.

 O começo das remodelações da casa-de-banho, com "marcações" do pedreiro para se orientar
em relação às saídas de água do chuveiro, bidé, sanita, lavatório e máquina e lavar roupa.

Desde o início do projecto que eu soube como queria a nossa casa-de-banho: com azulejos turquesa! Fomos a várias lojas de construção e começámos a perceber que não havia opções acessíveis no tom exacto que eu procurava, pelo que tivémos de optar por uma variação. Durante essas visitas apaixonei-me pelas pastilhas nereida, que têm uma combinação linda de azuis, e decidimos comprar algumas unidades para compensar a ausência do turquesa e dar um toque especial ao espaço - teríamos comprado uma quantidade maior, se não fossem tão caras...

Para que a casa-de-banho não fosse toda azul, decidimos combinar os azulejos azuis com brancos da minha linha e, para o chão, mosaicos cinzentos.
A aplicação dos azulejos e pastilhas na casa-de-banho

Foi preciso um trabalho minucioso por parte do pedreiro para termos hoje a casa-de-banho que temos, mas valeu muito a pena porque ficou tal como imaginámos! Adoro a combinação do branco com os azuis (a minha cor preferida), por isso esta é a divisão da casa que me deixa mais orgulhosa! :)

Comprámos as louças em branco (o Zé insistiu em termos um bidé, apesar de eu achar inútil...), este móvel de lavatório do Ikea a imitar madeira, uma estante em bambu (que agora está noutra divisão) e uma cabine de chuveiro em branco também. Acrescentámos ao espaço uma estante Billy que  trouxémos da outra casa e a máquina de lavar roupa, já que não tínhamos mais onde a pôr.

Passados dois anos, a casa-de-banho está agora mais completa: comprámos um móvel para a máquina de lavar roupa, uma porta para a estante Billy, colámos película de protecção nas janelas (porque preferimos não ter cortinas nesta divisão), afixámos um radiador à parede e acrescentámos algumas elementos decorativos. 

Vejam como ficou!
A vista da casa-de-banho assim que se entra nela
As minhas adoradas pastilhas, que valeram cada euro!
 Lembram-se do DIY destes quadros?
Dica: estes cestos, que se encontram à venda no Espaço Casa, De Borla e etc, cabem perfeitamente nas estantes Billy, parece mesmo que foram feitos para elas!

Que tal? Demasiado azul?
Para mim não, é a minha cor preferida! :D

A nossa casa-de-banho é um pouco maior do que seria necessário, mas assim estamos completamente à vontade nela. Não estamos arrependidos de ter abdicado deste quarto!

E por falar em quarto... esse será o próximo post que vos trarei acerca da remodelação da casa. Curiosas? 

Uma nova rotina


Bem, deixem-me cá limpar o pó a este blog e apertar as peças, a ver se agora é que começo a entrar no ritmo outra vez! 

Estar tanto tempo sem publicar fez-me mal. Levei eternidades a escrever os últimos posts, parece que já nem sei escrever textos longos, falar para vocês! Estão a ver quando passam meses sem falar com uma amiga e, quando finalmente marcam um café, a conversa já não flui como dantes? Por aqui passa-se algo muito semelhante mas, tal como as amizades, quando faz sentido e vale a pena, é para continuar! E o 18 and a life continua a fazer sentido para mim... para vocês também?


Senti falta deste espaço sobretudo para desabafar e espairecer. Desde que comecei no novo trabalho a minha rotina mudou e os primeiros meses foram bastante stressantes, em parte porque tenho alguma dificuldade em lidar com as mudanças e alterar os meus hábitos. Foram muitas as situações que me criaram ansiedade mas, quase 5 meses depois, começo finalmente a sentir-me mais tranquila em relação aos meus chefes, colegas, horários e falta de tempo livre. Não me arrependo de ter mudado para esta empresa, apenas tenho demorado a adaptar-me e a perceber como trabalham... 

Actualmente saio do trabalho por volta das 19h, vou ao ginásio participar nas aulas das 19h30 (que variam entre pilates, step, fitness, zumba...), chego a casa pelas 20h30 e é fazer o jantar e almoço do dia seguinte, comer, tomar banho e relaxar um pouco, geralmente a ver Downton Abbey sozinha ou Orange is The New Black com o Zé. Vou para a cama por volta da meia-noite e, na manhã seguinte, resmungo sempre que devia deitar-me mais cedo, ahahah

Ao fim-de-semana não trabalho, mas passo grande parte do tempo a fazer coisas que não consegui durante a semana, e que vão de tarefas domésticas, a ir às compras, passando por projectos relacionados com a casa, como melhorar o jardim e fazer DIYs.

Com tudo isto as semanas passam num foguete! Assusta-me que o tempo me fuja com tanta facilidade e dou por mim muitas vezes a pensar que, se já tenho tantas coisas para fazer e tão pouco tempo agora, como será a minha vida quando tiver filhos! Mas, se as coisas correrem como espero, ainda faltam alguns anos até essa preocupação se tornar real, ahahah.

No meio disto tudo espero conseguir voltar a encaixar posts novos aqui no blog e visitas regulares aos vossos. Há muitas coisas das quais vos quero falar e tantas outras para vos mostrar, por isso ideias não faltam!

Vemo-nos no próximo post? :)

Copo menstrual - a minha experiência

Essa "coisa" esquisita, uma invenção excêntrica e uma alternativa radical aos tampões, que parece tão grosseira, tão grande e desconfortável! 

Foi assim que eu defini o copo menstrual quando o conheci, há uns 3 ou 4 anos. Além do seu tamanho, o que mais me intrigava era o facto de acumular a menstruação sem a absorver, ou seja, ela fica lá e temos de a verter e lavar o copo - contactar com ela. Blac!

Por outro lado, este 'acessório de higiene pessoal' (não sei como lhe chamar...) parecia-me uma alternativa bem mais prática, ecológica e à prova de esquecimentos, o suficiente para me manter curiosa.
imagem: health.onehowto.com
O que é o copo menstrual?
Uma alternativa aos tampões e pensos higiénicos. Trata-se de um pequeno reservatório em forma de funil, feito de silicone cirúrgico e, por isso, hipoalergénico e maleável. Apresenta como principais vantagens ser reutilizável, amigo do ambiente, duradouro, mais confortável e prático que os absorventes comuns. 

Com o passar do tempo fui digerindo o conceito do copo menstrual e reconhecendo as suas vantagens. Passei de descrente a querer experimentar, perceber como funciona e se realmente é assim tão eficaz!

Preconceitos ultrapassados, o início deste verão foi o pretexto ideal para dar o primeiro passo: não queria repetir o desconforto que é usar pensos higiénicos nos dias de maior calor, e andava a evitar os tampões por sentir que "me secam por dentro". Sentia-me corajosa o suficiente para encomendar um, e fi-lo com uma vendedora minha conhecida que já me tinha falado maravilhas dele - ao contrário da ginecologista que consultei uns meses antes.

imagem: teenvogue.com

Recebi um copo menstrual lilás igual ao desta imagem (desconheço a marca, parece-me até ser "de marca branca"), no tamanho mais pequeno, que me custou 21€.

Existem vários tamanhos de copos, pensados em mulheres com diferentes características: idade, condição física, nº de partos, etc. Podem ser comprados a revendedores, online e em farmácias e para-farmácias, com preços a rondar os 25€.

Umas semanas depois, com a chegada do período, chegava também a hora de o usar!


Uma primeira vez (muito) intimidante


Eu sabia que o copo menstrual implicaria uma "introdução mais invasiva" (digamos assim...) que o tampão. Mas, apesar de usar tampões praticamente desde sempre, com ou sem aplicador, eu não estava à espera que a primeira vez fosse tão complicada!

Tendo em mente as instruções da vendedora e do folheto, molhei-o com água, dobrei-o e tentei colocá-lo como se fosse um tampão. Não resultou, porque se desdobrava, não entrava, não subia... Repeti uma e outra vez e percebi o porquê: além de ter de ser segurado de outra forma, temos de acompanhar a entrada total dele - esclarecendo: precisam mesmo de estar à vontade com o vosso corpo e inserir os dedos, por mais estranho que isto soe (vejam a ilustração).

Depois de muita paciência e tentando relaxar, finalmente consegui colocá-lo... mas sentia-me desconfortável. Tal como acontece com os tampões, seria um sinal de que não estava bem posto, por isso teria de o tirar e colocar outra vez. E foi um drama: ELE ESTAVA PRESO DENTRO DE MIM! Parecia que não queria sair, por causa do vácuo que é suposto ele criar, quanto mais eu o puxava pela patilha, mais ele me puxava a mim por dentro (sensação muito estranha)... o meu maior medo era real!!!

Fiz uma pausa para respirar fundo e procurar dicas na internet. Novamente, com muita calma - e à vontade! - introduzi os dedos para o segurar um pouco mais acima, apertei-o para libertar o vácuo e lá consegui puxá-lo para fora. ALÍVIO.

O pior tinha passado, agora tinha de voltar a introduzi-lo. Tentei novamente e, apesar de continuar a sentir que ele estava ali a mais, já não me sentia capaz de repetir tudo outra vez. Convenci-me que ele ia acabar por "ir ao sítio" sozinho, e segui com a minha vida.


Durante o dia não aconteceu nada de estranho: não houve corrimento, ele não saiu do sítio, consegui fazer xixi normalmente, mas era quando me sentava que o copo me incomodava mais, chegando ao ponto de magoar dependo da minha posição.

imagem: femininewear.co.uk


Para grandes males, grandes remédios


Foi assim durante esse dia e o seguinte: stress na hora de tirar e de pôr, e algum desconforto enquanto estava a usá-lo. Mas não ia desistir, sabia que muito provavelmente estas dificuldades eram só uma questão de prática... ou alguma coisa estava errada.

Voltei a pesquisar na internet, para perceber se estava a fazer tudo bem, e cheguei a uma conclusão: podia ser a patilha a causa do desconforto, por ficar de fora, ali sempre em contacto com os lábios, a causar fricção quando me sentava e cruzava as pernas. 

Várias raparigas cortam a patilha do copo menstrual, mas isso estava a parecer-me arriscado: depois como é que o ia tirar, quando já era uma luta tão grande? Decidi cortar só metade, afinal não era preciso ela ser tão comprida, e experimentei. Melhorou o conforto, mas ainda assim sentia ali alguma coisa a mais. Já sem grande paciência e pronta para tudo, cortei o resto da patilha, certificando-me que não estava a cortar o fundo do próprio copo. Voltei a colocar e até estranhei: já não sentia nada!

O drama do desconforto estava resolvido, mas claro que a falta de patilha implicava que eu fosse mais invasiva a tirá-lo de dentro de mim...


3 meses depois


Eu estava certa: com o tempo a minha prática com o copo menstrual foi melhorando. Há alturas em que ainda me custa um pouco a tirá-lo ou a colocá-lo (mais pela questão psicológica), já cheguei a magoar-me com as unhas (uma amiga que também começou a usar diz que as luvas de látex são uma boa ajuda), mas não tem havido corrimentos-surpresa, é mais confortável que o tampão, não cria odores estranhos e aguenta o fluxo durante mais tempo.

No primeiro e últimos dias da menstruação uso um penso diário (porque o fluxo é tão pouco que não justifica usar o copo) e entre esse tempo a rotina repete-se: coloco o copo de manhã e só o despejo quando volto a casa, depois de um dia de trabalho, lavando-o em seguida com água; coloco-o novamente e só tiro na manhã seguinte. Mas há dias em que varia consoante o fluxo: já senti necessidade de o despejar a meio da tarde.

Posso dizer que não estou arrependida e não penso em voltar aos tampões nem pensos higiénicos! Não imaginam a tranquilidade que é não ter de andar com absorventes atrás ou ter mini-ataques cardíacos quando nos esquecemos: a única coisa que precisamos está [literalmente] sempre connosco nos dias críticos.

Mas, como repararam com este meu testemunho, o copo menstrual não é algo que se adore à primeira. Parece contra-natura, temos de nos certificar que se desdobra quando estiver dentro de nós, que cria vácuo, que está bem colocado, ter cuidado a tirar... posso mesmo dizer que não é para todas, mas vale o investimento de dinheiro e paciência porque, fora isso, torna a menstruação mais tranquila - até nos esquecemos que o estamos a usar (um cliché, eu sei)!

No final da menstruação, basta fervê-lo em água por 2-3 minutos* (como se faz com os biberões e chupetas dos bebés), e guardar até ao mês seguinte!
*não façam como eu, que me esqueci do copo por 20 minutos - quase ficava sem ele.
Imagem: thankyourbody.com

Para quem ainda ficou intrigada e com dúvidas, deixo-vos mais algumas noções...

Dicas para quem quer usar o copo menstrual


  • Pesquisem bastante sobre o assunto, para se certificarem de que estão preparadas para o usar;
  • Comprem o copo de uma marca de confiança e no tamanho certo (consultem o vendedor);
  • Preparem-se para "medidas drásticas" no momento de tirar e pôr o copo - o que no fundo não é nada de tão horrível assim, trata-se do vosso próprio corpo;
  • Pesquisem formas de dobrar o copo de forma a ser mais fácil inseri-lo - usar lubrificante também ajuda;
  • Tirem e voltem a colocar as vezes que forem necessárias até sentirem que está bem encaixado;
  • Usar luvas de látex (tipo aquelas de médico) para pôr e tirar pode facilitar muito e evitar que se magoem com as unhas;
  • Usem também um penso diário nas primeiras vezes, pois pode haver algum corrimento se ele não estiver bem colocado;
  • Ainda que vos custe dar 20 ou 30€ por um, saibam que um copo menstrual pode durar até 10 anos;
  • É perfeito também para quem pratica exercício físico.

Se ainda vos restam dúvidas, não hesitem em perguntar nos comentários! 
Como sei que algumas de vocês que me lêem também usam o copo menstrual, desafio-vos a deixar aqui a vossa experiência e dicas! :)

[até na decoração] Menos é mais


Neste verão li um artigo sobre a cultura do minimalismo. Foi numa revista feminina (não me lembro qual) e apresentava entrevistas a 2-3 mulheres que tinham optado por um estilo de vida mais simples, baseado apenas no que é essencial ao dia-a-dia. Essa escolha passava não só pelo guarda-roupa, como também pelas embalagens de alimentos e decoração da casa - neste artigo do Observador podem conhecer um exemplo que dá que pensar.

A cultura do minimalismo não é novidade, está bastante em voga nos últimos anos, mas quantos de nós entendemos a sua essência? Quantos de nós a conseguiríamos pôr em prática? Num mundo onde somos constantemente aliciados para ter, comprar e acumular, o minimalismo pode ser um verdadeiro desafio!

Se ainda hoje penso nesse artigo que li, por alguma razão será. Tem sido inevitável olhar para o que me rodeia e concordar que, de facto, menos é mais
Um bom exemplo é a forma como tenho vindo a decorar a minha casa: com artigos acessíveis, ao meu/nosso gosto, comprados aqui e acolá, tentando respeitar o ambiente e cores que defini para cada espaço. Mas, à medida que compro as coisas e as coloco no sítio destinado, sinto que a minha casa está a ficar atolada de tralha! Tenho comprado tanta coisa insignificante, muitas vezes só porque é barata, que tenho vindo a perder o foco e, provavelmente, desperdiçado dinheiro.

Então decidi: chega de andar a fazer rondas às lojas X, Y, Z, à procura de "mais alguma coisa" para decorar a casa, só porque tenho uma vontade quase incontrolável de comprar! É preferível reservar esse dinheiro para, tempos depois, investir em alguma coisa que valha mesmo a pena, com utilidade, e que tenho vindo a adiar por causa do preço - como uma carpete para a sala-de-jantar, um móvel e papel de parede.

Com esta consciência de que é preferível ter menos mas melhor, penso que conseguirei tornar a minha casa mais harmoniosa. Porque o minimalismo é isso mesmo: com pouco, conseguir fazer muito, melhorar a nossa vida e a forma como nos sentimos.

Por isso, se estão agora a começar a decorar o vosso espaço, fica a dica: não se entusiasmem demasiado! Coisas giras e baratas há por aí quase ao pontapé, mas não queiram tornar a vossa casa num expositor. Deixem-na respirar, respeitem os espaços vazios, e vão perceber que faz mais sentido assim :)

Boas decorações e... keep it simple!

imagens: Pinterest
este post contém um link para uma parceria